domingo, 15 de julho de 2012

Fofoca 1


Nem precisa dizer que é muito feio e de muito mau gosto,  não  é mesmo?

Quando a vida dos outros se torna importante demais, é preciso olhar para a própria vida e ser bem sincero sobre si mesmo: se é feliz, satisfeito, realizado pessoal e profissionalmente e se tem ocupado o próprio tempo com coisas úteis e interessantes.

A fofoca, além disso, pode prejudicar as pessoas. Mas, como tudo o que é errado, tem pernas curtas e é descoberta rapidinho. Fica mal para quem fez a fofoca porque, além de ficar sem graça, ainda perde a confiança das pessoas.

E o fofoqueiro "de carteirinha"? No trabalho, na escola, no clube, no condomínio, em todo lugar ele existe e parece praga mesmo, não tem um canto dessa terra sem essa figura...

Bem, a primeira coisa a fazer é deixar claro os limites sobre suas informações pessoais e profissionais.

No trabalho, há serviços que precisam ser compartilhados com a equipe e há aqueles que são confidenciais. Então, compartilhe o que é para compartilhar e guarde o que é para guardar. Seja profissional e deixe claros os limites do seu trabalho. Com perguntas indiscretas, seja sincero e diga que esta informação é do interesse apenas de um determinado setor e pronto, encerre o assunto.

Em cursos, é comum nos aproximarmos de quem nos identificamos. Desta forma, fale quando se sentir à vontade. Caso contrário, seja discreto e não fale. Você não precisa falar sobre você na sala de aula, o assunto lá não é a vida pessoal dos colegas, é o curso. Nas apresentações do primeiro dia, comente apenas informações comumente compartilhadas como  o motivo que a/o levou a procurar o curso e alguma coisa que você gosta de fazer. A nossa casa e a nossa vida pessoal são compartilhadas apenas com quem conhecemos, confiamos e gostamos.

No condomínio, tem sempre alguém que adora falar da vida dos outros como se fosse uma novela ao vivo: quer saber onde todo mundo vai, o que todo mundo faz, quem era aquela visita na casa do fulano, onde foi que sicrano comprou o móvel novo da casa, enfim... Para tantas perguntas, você pode simplesmente não responder, afinal de contas, morar em um condomínio não significa compartilhar informações pessoais com todo mundo. Fique à vontade para não responder, fingir que não ouviu ou até mesmo ser bem objetivo e dizer que se trata de informação pessoal que não interessa aos vizinhos.

Mesmo assim, quem é fofoqueiro de profissão (e de insatisfação com a própria vida...) vai continuar procurando alguma coisa na vida dos outros para comentar. Seja um mero expectador, deixe para lá e continue cuidando bem da sua privacidade e da sua felicidade.